Não dá para entender o descaso dos tucanos com Aécio Neves. Ele sempre foi a estrela do PSDB em Minas e desejo de todos para governar o Brasil. Desde que assumiu a presidência do PSDB, em 2013, Aécio reestruturou e reunificou o partido. Só não foi eleito presidente da República, em 2014, pela fraudulenta campanha de Dilma e do PT. No ano seguinte, Aécio foi reconduzido pelos tucanos à presidência do PSDB para mais um mandato. Em 2016, graças à eficiente atuação do senador à frente da legenda, o PSDB foi o partido mais votado nas eleições municipais, elegendo 800 prefeitos e mais de 5 mil vereadores. Ano passado, Aécio ainda deu apoio fundamental ao impeachment de Dilma, o que tanto os tucanos desejavam.

Mas hoje o que se vê são os mesmos tucanos de costas para Aécio. Jogaram seu principal líder na vala comum da crise que envolve toda a classe política brasileira em escândalos de corrupção. Ele pode ter cometido um erro terrível ao se envolver com Joesley Batista, até que provem o contrário para fazer um pedido legítimo de empréstimo. Mas uma coisa é certa. Se Aécio fosse do PT, os aguerridos petistas o defenderiam a ferro e fogo e sequer cogitariam tirar a estrela de sua principal liderança. Mas os tucanos não vão às ruas ou às redes sociais dizer que Aécio é inocente, que foi injustiçado ou que está sendo perseguido pela escandalosa fúria de Janot. Ah!, mas os tucanos não são petistas.